11.1 NSE

Se o {tidyverse} é o conjunto mais incrível de pacotes, faz sentido querermos criar nossos pacotes e fazer nossas análises usando seus princípios. Funções cujo primeiro argumento é um data frame e operações “pipeáveis” são apenas o começo.

Uma das características mais marcantes do {tidyverse} é a possibilidade de trabalhar com colunas como se elas fossem objetos comuns, criados fora da função. Basta pensar na mutate(): como ela sabe que mpg é uma coluna da tabela e não um objeto externo com o mesmo nome?

Existe uma ferramenta especial (e exclusiva ao R!) que nos permite fazer esse tipo de mágica: a non-standard evaluation (NSE) ou, em português, a avaliação não-padrão. Usamos NSE desde a primeira vez que escrevemos o comando library(), mas o seu funcionamento ainda é um mistério para a maioria.

Para criar funções flexíveis e exutas como as do {tidyverse}, é necessário entender o básico da NSE e de como trabalhar com alguns operadores desse novo mundo.

11.1.1 O que é?

Non-standard evaluation é uma propriedade do R que permite capturar o seu código sem avaliá-lo. Isso mesmo: o R deixa de ser uma caixa para a qual nós enviamos comandos a serem executados e passa a ter a capacidade de interpretar e trabalhar os próprios comandos. Genericamente isso se chama metaprogramação.

# O objeto 'dplyr' simplesmente não existe...
dplyr
## Error in eval(expr, envir, enclos): object 'dplyr' not found
# Por que então esse comando funciona?
library(dplyr)

Na chamada library() acima, a palavra “dplyr” não se refere a nenhum objeto! O R consegue ler o código que nós escrevemos e agir em cima dessa informação. Apesar de ser comum para nós, outras linguagens são incapazes de fazer isso por causa da forma com que elas tratam seus argumentos.

O R tem o que chamamos de avaliação tardia (delayed evaluation), ou seja, uma expressão só é avaliada quando ela é necessária e não logo que ela é criada. No R, print(1 + 2) é diferente de print(3), mas nas outras linguagens isso não é o caso!

11.1.2 Tidy evaluation

A faceta da NSE que nos interessa no momento é a chamada tidy evaluation, ou tidy eval, a avaliação não-padrão utilizada pelas funções do {tidyverse} e outros pacotes feitos para trabalhar com o mesmo paradigma.

  • O mundo sem tidy eval é extremamente verborrágico, pois a tabela precisa ser especificada toda vez que nos referirmos a uma coluna:
starwars[starwars$homeworld == "Naboo" & starwars$species == "Human", ,]
  • Para não precisar do $, a nossa única saída é criar objetos com as colunas:
homeworld <- starwars$homeworld; species <- starwars$species
starwars[homeworld == "Naboo" & species == "Human", ,]
  • O {tidyverse} permite criar um “mini ambiente” em que as colunas da tabela estão disponíveis como se fossem objetos declarados explicitamente:
filter(starwars, homeworld == "Naboo", species == "Human")

O problema de capturar o código sem avaliá-lo é que fica difícil avaliar algo antes que ele seja capturado.

# O código 'birth_year' é capturado
starwars %>% filter(is.na(birth_year)) %>% nrow()
## [1] 44
# O objetivo é filtrar uma coluna especificada pelo usuário
filter_na <- function(df, col) {
  filter(df, is.na(col))
}

# A função captura o código 'col'
starwars %>% filter_na(col = birth_year) %>% nrow()
## Error: Problem with `filter()` input `..1`.
## ℹ Input `..1` is `is.na(col)`.
## x object 'birth_year' not found

11.1.3 Curly-curly

O operador que vai resolver nosso problema é o {{ }} (lê-se curly curly), que permite interpolar o código, ou seja, avaliá-lo antes da captura.

# O objetivo é filtrar uma coluna especificada pelo usuário
filter_na <- function(df, col) {
  filter(df, is.na( {{col}} ))
}

# Agora a função captura o código 'birth_year'
starwars %>% filter_na(col = birth_year) %>% nrow()
## [1] 44

Essa sintaxe vem da interpolação de strings:

col <- "birth_year"
stringr::str_glue("Interpolando '{col}'!")
## Interpolando 'birth_year'!

Para passar múltiplos argumentos nem é necessário usar o curly-curly já que a reticência já possui as capacidades de tidy eval:

# O objetivo é permitir vários cálculos
summarise_by <- function(df, ..., by) {
  df %>%
    group_by( {{by}} ) %>%
    summarise(...)
}
  
starwars %>%
  summarise_by(
    media = mean(height, na.rm = TRUE),
    maximo = max(height, na.rm = TRUE),
    by = gender
  )

Note como não houve necessidade de interpolar media e maximo: a summarise() não tentou criar uma coluna chamada ....

11.1.4 Strings como argumentos

E se quisermos passar strings para as funções do {tidyverse}? Se pedirmos o nome de uma coluna para um usuário, a resposta virá como string.

# O objetivo é dar um nome para a média
summarise_mean <- function(df, nome, col) {
  summarise(df, nome = mean(col, na.rm = TRUE))
}

# É criada uma coluna 'nome' sem valor ('col' não existe)
summarise_mean(starwars, "media", "height")
## Warning in mean.default(col, na.rm = TRUE): argument is not numeric or logical:
## returning NA
## # A tibble: 1 x 1
##    nome
##   <dbl>
## 1    NA

Quando o “lado esquerdo” (antes de um igual) de uma expressão com tidy eval é uma string (ou se tornará uma quando avaliado), precisamos apenas usar o operador := (lê-se walrus, “morsa”):

# O objetivo é dar um nome para a média
summarise_mean <- function(df, nome, col) {
  summarise(df, {{nome}} := mean(col, na.rm = TRUE))
}

# É criada uma coluna 'media' sem valor ('col' não existe)
summarise_mean(starwars, "media", "height")
## Warning in mean.default(col, na.rm = TRUE): argument is not numeric or logical:
## returning NA
## # A tibble: 1 x 1
##   media
##   <dbl>
## 1    NA

Quando uma string (ou algo que se tornará uma quando avaliado) está no “lado direito” (depois de um igual ou quando não há igual) de uma expressão com tidy eval, precisamos apenas usar o pronome .data:

# O objetivo é dar um nome para a média
summarise_mean <- function(df, nome, col) {
  summarise(df, {{nome}} := mean(.data[[col]], na.rm = TRUE))
}

# É criada uma coluna 'media' com a média de 'height'
summarise_mean(starwars, "media", "height")
## # A tibble: 1 x 1
##   media
##   <dbl>
## 1  174.

É como se estivéssemos chamando df[["height"]], mas, como df não faria sentido dentro da expressão, usamos .data.

11.1.5 Exercícios

1. Escreva uma função que recebe uma tibble e uma coluna qualquer e devolve uma tibble sem as linhas contendo NA na coluna especificada.

2. Escreva uma função que recebe uma tibble e uma coluna e faz um gráfico de barras da frequência dessa coluna.

3. Escreva uma função que recebe uma tibble e o nome de duas colunas numéricas e faz um gráfico de dispersão dessas colunas.

4. Escreva uma função que recebe uma tibble, o nome de uma coluna categótica e o nome de uma coluna numérica e devolva uma tabela com a média da coluna numérica para cada categoria da coluna categórica.


Curso-R